0

Por Srinivas Kumar, vice-presidente de soluções IoT da DigiCert.

A proliferação de dispositivos digitais autônomos em nossas vidas diárias, o que chamamos de Internet das Coisas (IoT), está pronta para se conectar com outras coisas em uma cadeia de nuvens para servir a um propósito muito maior e possibilitar um espectro muito mais amplo de serviços. Você pode pensar nisso como socialização das coisas, onde as coisas se comunicam com outras coisas – próximas e distantes!

De acordo com o estudo IoT Snapshot 2022, elaborado pela Logicalis, empresa global de soluções e serviços de tecnologia da informação e comunicação, a IoT já é uma realidade na América Latina e continua em expansão. Entre 2018 e 2021, o número de empresas que estão em fase de prova de conceito, projetos-piloto ou iniciativas já em produção, cresceu 15 pontos percentuais na América Hispânica e 25 pontos percentuais no Brasil, com 57% das empresas já no processo de implementação da IoT.

Entre as soluções mais utilizadas por essas organizações estão: monitoramento de ativos (sensores) e manutenção preditiva (31%), geolocalização (28%) e rastreamento de entregas, cargas e/ou logística externa (27%), isso no Brasil. Na América Hispânica, o uso é mais focado em análise de vídeo para monitoramento de pessoas e ambientes (49%), gestão de estoque e logística interna (27%) e geolocalização (26%).

Apesar do crescimento de projetos envolvendo IoT, a percepção da importância dessa tecnologia foi impactada, no curto prazo, pela pandemia. Desde 2016, o Brasil está em uma curva de crescimento contínuo e, em 2021, os dados revelam uma redução de 9% (de 42% para 33%) entre aqueles que classificaram a importância das soluções de IoT como “Alta” ou “Muito Alta” . Altíssima”, quando comparada à percepção relatada em 2019, última edição do estudo.

No entanto, quando olhamos para o futuro da tecnologia IoT no médio prazo (três a cinco anos), vemos uma tendência ascendente, com 71% dos entrevistados classificando a importância das soluções IoT para os negócios como “Muito Alta” e “Alta”. . Como resultado, 42% das empresas no Brasil e 35% na América Hispânica planejam investir em projetos de IoT nos próximos 18 meses.

A importância da nuvem conectada

 O poder das coisas conectadas localmente é um divisor de águas para as economias locais, tanto nas comunidades urbanas quanto nas rurais. Da rede de energia aos sistemas de abastecimento de água, estradas, trens, fazendas, escolas, fábricas, hospitais, profissionais de saúde e socorristas, a conectividade das coisas está se tornando um facilitador para a prosperidade econômica.

A economia emergente está mudando de uma economia de serviços financeiros para uma economia de nuvem, de Wall Street para Main Street – a economia local, de cidades e edifícios inteligentes em seu bairro para fábricas inteligentes e transporte inteligente em seu estado. Estamos no meio de mais uma revolução tecnológica.

Pela maioria dos principais indicadores, a globalização do comércio está desacelerando devido a eventos geopolíticos, agitação trabalhista e forças estruturais em todo o mundo. O que isso significa para a globalização de dados? Os dados são o combustível que impulsiona a economia da nuvem. Não há tarifas sobre dados (pelo menos ainda não).

Os dados conduzirão decisões, ações e resultados nos estágios local, estadual, regional, nacional e internacional, em tempos de crescimento ou recessão, paz ou guerra.

A tecnologia já está impulsionando essa transformação. À medida que as gerações passadas lidavam com semicondutores, mainframes, computadores pessoais, telefones de discagem rotativa e linhas discadas para chegar onde estamos hoje com dispositivos portáteis, centros de dados e internet de alta velocidade, a próxima geração testemunhará o surgimento de ainda outra onda: as nuvens digitais da mudança.

Do analógico ao tempo real nas redes sociais

Assim como a rede sem fio era o meio mais rápido e eficiente de conectar pessoas em todo o mundo na década de 1990, sem projetos de infraestrutura audaciosos para colocar cabos de cobre do primeiro ao último quilômetro, o conceito de computação e armazenamento em nuvem de ponta são fatores-chave para trazer transformação digital para as massas em todo o mundo.

Isso dará impulso a uma nova onda de comércio global, compartilhamento de informações e segurança cibernética em um mundo sem firewalls internacionais.

Mesmo quando um telefone de discagem rotativa se transformou em um smartphone que você carrega no bolso hoje e permanece conectado com o mundo, os dispositivos não pessoais estão se tornando onipresentes no mundo ao nosso redor em nossas casas, ruas, cidades e locais de trabalho.

À medida que passamos de uma mentalidade de necessidade de saber para necessidade de compartilhamento na troca de informações, o compartilhamento de dados – como feeds confiáveis ​​em tempo real e como marcadores históricos – impulsionará políticas e processos da vida diária de viagens, eventos, atividades sociais, ciclos de notícias, serviços públicos e mercado de trabalho.

A nuvem é para a IoT o que a rede definida por software era para data centers virtualizados. Na verdade, é muito mais do que apenas conectividade. O volume, a variedade e a velocidade das informações de milhões de dispositivos vão dificultar o transporte de dados para os mecanismos de computação de back-end.

Portanto, em vez de bombear dados para computar, a computação deve ir para onde os dados estão: na borda.

Os dados neste caso serão um conjunto heterogêneo de informações destinadas a telemetria, medições, reconhecimento facial, detecção de multidões, vigilância de ruas, controle de congestionamento, reconhecimento de placas, serviços financeiros, monitoramento do solo, monitoramento da qualidade do ar e muito mais. O potencial está além da imaginação.

Qual é o próximo passo?

Para inovadores, tecnocratas e falcões de segurança cibernética, isso significa a promessa e a realização do 5G, computação de ponta, blockchain, criptografia pós-quântica e conteinerização de aplicativos e serviços. Isso afetará a próxima geração de dispositivos de consumo, desde decodificadores de entretenimento até sistemas de monitoramento de segurança doméstica, aparelhos inteligentes, gerenciamento de água, ar condicionado e sistemas de aquecimento.

Ele transformará os sistemas de segurança, desde o gerenciamento de edifícios até os sistemas de transporte e aviação. Modernizará a defesa nacional, do equipamento de batalha à proteção dos soldados.

O fluxo de trabalho de operações, desde o chão de fábrica até as operações de campo em estado selvagem, e a manutenção de dispositivos com uma década (ou mais) de vida útil vão testemunhar uma transformação gradual, mas iminente, impulsionada pela automação de serviços de uma nuvem de nuvens. Em vez de uma nuvem centralizada, a IoT exigirá uma cadeia de confiança de nuvens conectadas.

A transformação digital está em uma trajetória para impulsionar a inovação em proteção de borda, automação de processos e operações integradas de missão crítica.

Grande parte da infraestrutura pública crítica, redes de serviços públicos e sistemas de controle industrial estão atualmente desatualizados e não são protegidos por cibersegurança. Os riscos iminentes não têm limites de prazo.

O ecossistema emergente de computação distribuída exigirá um grau mais alto de confiança na identificação de dispositivos, autenticação de dispositivos, controles de admissão autorizados e entrega de conteúdo inviolável.

Além disso, isso deve estar enraizado na noção de dispositivos onipresentes confiáveis ​​e dados confiáveis ​​para alimentar a lógica de decisão – ou seja, ações baseadas em processos ou políticas. Dispositivos e dados não confiáveis ​​sem atribuição de confiança produzirão resultados indesejáveis ​​e potencialmente trágicos.

Portanto, é hora de colaborar em nível de base com a indústria de semicondutores, fornecedores de dispositivos e provedores de serviços para torná-los confiáveis ​​para a introdução no ecossistema automatizado de nuvens conectadas.

 Sobre a DigiCert, Inc

DigiCert é a provedora mundial de escaláveis TLS/SSL, soluções PKI para identidade e encriptografia. As empresas mais inovadoras, incluindo 89% das organizações da Fortune 500 e 97 – de um total de 100 maiores bancos globais – escolheram a DigiCert por sua experiência em identidade e criptografia para servidores web e Internet das Coisas.

DigiCert suporta TLS/SSL e outros certificados digitais e desenvolvimento para PKI em qualquer escala por meio da plataforma de gerenciamento de ciclo de vida, a CertCentral®.

A organização é reconhecida pela sua plataforma de gerenciamento, rapidez e um suporte reconhecido ao usuário, além de líder de mercado em soluções de segurança. Para as últimas notícias e atualizações, visite digicert.com ou siga @digicert.

Redação
Equipe de Redação

Receita divulga regras para restituição do IR sobre pensão alimentícia

Artigo Anterior

CNN Brasil chega ao Prime Video como primeiro canal de notícias ao vivo do serviço de streaming no País

Próximo Artigo

Veja também

Mais sobre Tecnologia