0

O magnata Elon Musk, cujas empresas incluem a Tesla e SpaceX, revelou através do X – anteriormente conhecido como Twitter – que o pioneiro implante cerebral da Neuralink foi recentemente realizado em um indivíduo.

O produto inaugural da Neuralink, batizado de “Telepatia”, possibilitará a integração direta do cérebro com dispositivos móveis e computadores. Musk enfatizou que os primeiros beneficiários serão pessoas com deficiências que perderam a capacidade de utilizar os dedos.

Já em junho de 2023, Musk anunciou que a Neuralink estava prestes a iniciar os primeiros testes em seres humanos, visando conectar o cérebro humano a computadores. Agora, o empresário confirma que o paciente está progredindo favoravelmente.

“O implante Neuralink foi realizado no primeiro ser humano ontem, e sua recuperação está indo bem. Os resultados preliminares indicam uma detecção promissora de picos de atividade neuronal.”

Sobre a Neuralink

A Neuralink, uma empresa de neurotecnologia fundada por Musk, obteve autorização da Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) em maio de 2023 para conduzir o primeiro estudo clínico em seres humanos.

Os testes envolvem a inserção de um dispositivo no cérebro de voluntários humanos, com a expectativa de que condições anteriormente consideradas incuráveis, como paralisia e cegueira, possam ser revertidas no futuro. A concessão da autorização ocorreu em meio a investigações relacionadas a alegadas falhas no manejo de experimentos em animais pela empresa.

Em maio, legisladores dos Estados Unidos solicitaram uma investigação para determinar se a composição do painel que supervisiona os testes em animais na Neuralink contribuiu para experimentos mal sucedidos e apressados.

A visão de longo prazo da Neuralink é estabelecer uma “relação simbiótica” entre seres humanos e inteligência artificial, aproximando assim o pensamento humano da tecnologia da informação, conforme delineado por Musk.

No entanto, mesmo se a Neuralink conseguir demonstrar a segurança de seu dispositivo em humanos, especialistas consultados pela Reuters alertam que será necessário um período extenso – potencialmente mais de uma década – para obter autorização para uso comercial. A empresa enfrenta concorrência de outras firmas de neurotecnologia que já implantaram dispositivos semelhantes em pessoas. A Synchron, por exemplo, foi pioneira ao utilizar cateteres em vez de cirurgias para implantar dispositivos cerebrais em seres humanos.

fonte.

Chiessi
Jornalista do Prime Times, Beatriz Chiessi é formada em Gestão Empresarial e possui MBA em Jornalismo Digital. Especialista na produção de conteúdo há 5 anos.

    Plataforma de gerenciamento de frete rodoviário oferece equipe dedicada para transportadoras e indústrias

    Artigo Anterior

    Resultado Completo da Lotomania 2578 de hoje, 29/01; – Prêmio Acumulado de R$ 4,2 Milhões”

    Próximo Artigo

    Veja também

    Mais sobre Tecnologia