Diversidade de tributos e taxas exige planejamento do lojista para reduzir desperdício
0

Por Henrique Carbonell* 

A partir da primeira semana de janeiro, os empresários brasileiros terão que trabalhar até os primeiros dias de março para pagarem os impostos e taxas inerentes à operação de seus negócios. É um número elevado, sem dúvida. Contudo, mais do que o valor financeiro a ser pago, a preocupação também passa pela quantidade e diversidade dos impostos no Brasil.

A maioria das empresas não consegue dar conta dos prazos e vencimentos dos diferentes tributos federais, estaduais e municipais – uma situação ainda mais delicada para quem vende a estados diferentes de onde está instalado. É preciso se planejar e apostar em soluções tecnológicas para evitar o desperdício financeiro nesses casos.

Relatório Doing Business 2020

A estimativa acima foi divulgada pelo Banco Mundial no relatório Doing Business 2020: são necessários 62 dias e meio para as empresas pagarem seus impostos no Brasil. A média desse tempo entre os países mais ricos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico excluir equivale a 10,5% do total gasto no Brasil – na América Latina e Caribe, nossos vizinhos regionais, o tempo médio representa apenas 21%.

A situação exemplifica o peso do sistema tributário nacional. Ainda que o Brasil possua a 15ª maior carga de tributos em todo o mundo, é o que devolve o menor índice de retorno de bem-estar à sociedade. Em suma: pagamos muito caro e não vemos esse valor ser transformado em vantagens na sociedade.

A diversidade de tributos e impostos acaba confundindo a cabeça dos empresários. É praticamente uma salada de siglas, cada uma delas com suas próprias alíquotas e algumas diferentes de Estado para Estado. Vejamos alguns exemplos: um varejo que deseja operar em determinado Estado precisa pagar o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), cuja alíquota varia de acordo com o produto comercializado (de 7% a 30% no Estado de São Paulo). O valor, contudo, também varia de acordo com o destino de venda: é preciso pagar imposto de acordo com a alíquota do Estado onde está o consumidor.

Há ainda o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), o regime tributário de acordo com o tamanho da empresa, Previdência Social (INSS), o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), entre tantos outros.

A lista é grande e, por isso, a confusão é comum. Imagine, por exemplo, recolher um ICMS maior do que a alíquota estipulada pelo Estado de destino? Ou então esquecer de pagar um deles e ter que arcar com multas e cobranças? Pois é, o prejuízo para os varejistas pode ser muito maior do que a carga tributária.

Itens essenciais na gestão financeira

Para dar conta de tudo isso, dois itens são essenciais na gestão financeira de qualquer negócio, principalmente dos pequenos e médios varejistas (que acabam acumulando funções). O primeiro deles, evidentemente, é montar um planejamento capaz de identificar as datas de vencimentos e os recursos necessários de cada imposto ou tributo, entregando uma visão completa ao gestor.

Entretanto, fazer isso de forma manual é cansativo e custoso – o que leva ao segundo ponto. Hoje já existem ferramentas tecnológicas que auxiliam os empresários nessa tarefa, consolidando transações e documentos. Assim, fica mais fácil localizar os desperdícios e evitar o pagamento excessivo de taxas.

Em um mundo impactado pela pandemia da Covid-19, com os varejistas se desdobrando para continuarem operando e vendendo, identificar e reduzir estes gastos desnecessários é um passo importante para manter a rentabilidade.

Hoje, os empresários prezam pela eficiência operacional e digitalização de processos – e não há nada mais importante e necessário em uma empresa do que digitalizar e ter maior eficiência na gestão dos pagamentos de seus impostos e tributos. Com isso, nem mesmo a carga tributária pesada consegue impedir o crescimento de seu negócio a longo prazo.

* Henrique Carbonell é sócio-fundador da F360°, empresa especializada em sistema de gestão financeira com conciliação automática de vendas por cartão para o pequeno e médio varejo www.f360.com.br – e-mail: f360@nbpress.com

Redação
Equipe de Redação

Dinheiro como ferramenta de marketing? Veja por que utilizar as moedas digitais em suas campanhas

Artigo Anterior

Lojas virtuais alcançam quase 20 bilhões de acessos no País em 2020, revela pesquisa

Próximo Artigo

Veja também

Mais sobre Negócios