0

Convenhamos: não existe coisa melhor do que gerar a própria renda e ainda contribuir para o crescimento do país. Empreender se tornou um sonho para boa parte dos brasileiros – três a cada quatro, segundo o SEBRAE, para ser mais específico.

Para alcançar essa meta é necessário uma série de fatores, alguns que irão depender apenas de você e outros onde poderemos te ajudar dando algumas dicas.

Sua meta para 2019 é caminhar para o empreendedorismo? Então fique ligado(a) em nossas dicas e planeje-se!

Mas afinal, como abrir uma empresa?

Passo a passo para ter um negócio de sucesso!

Confira o passo a passo de como abrir uma empresa e ingresse no mundo do empreendedorismo:

Pesquise nomes e o endereço da sua empresa

Antes de mais nada, pesquisei a viabilidade de nomes na  Junta Comercial. Em seguida, faça uma consulta prévia de endereço na Administração Regional onde ficará a sede do seu negócio.

Este procedimento é necessário para verificar se o endereço permite a realização de atividade econômica.

Contrate um contador

Reunir e validar a documentação para a abertura do seu negócio é, sem dúvida, a parte mais burocrática do processo.

Sendo assim, você vai precisar de um bom contador para auxiliá-lo em todos os momentos deste processo.

O contador poderá ajudá-lo também na montagem de um cronograma para sua empresa, com por exemplo os dias de pagamento de impostos e a melhor data para realizar balanços.

Elabore o Contrato Social e, em seguida, o registre na Junta Comercial

O Contrato Social é o documento fundador da sua empresa. Nele, estarão reunidas informações como “objetivo”, “ramo”, e “formação do capital social”.

Quando estiver pronto, leve-o, junto com os seus documentos pessoais – e de seus sócios, se houver –, à Junta Comercial ou ao Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas mais próximo.

Nesta fase, serão necessários os seguintes documentos:

  • Três vias do contrato social (ou requerimento de empresário individual, ou estatuto);
  • cópias autenticadas do RG e do CPF dos sócios;
  • uma via do requerimento padrão (capa da Junta Comercial);
  • uma via da ficha de Cadastro Nacional (FCN) – Modelos 1 e 2;
  • pagamentos de taxas através de DARF.

Obtenha o CNPJ

Após entregar toda a documentação, você receberá o NIRE – Número de Identificação de Registro de Empresa. Com ele, será possível obter o CNPJ, que é o registro da sua empresa como contribuinte.

Esse procedimento pode ser feito através do site da Receita: www.receita.fazenda.gov.br.

Retire o alvará

Com o CNPJ em mãos, você terá que ir até a Prefeitura (ou administração regional) da sua cidade para adquirir o alvará de funcionamento. Os documentos necessários são:

  • formulário próprio da Prefeitura;
  • consulta prévia de endereço aprovada;
  • cópia do CNPJ;
  • Cópia do contrato social;
  • Laudo dos órgãos de vistoria.

Faça a Inscrição Estadual na Secretaria da Fazenda

Essa inscrição é necessária para obtenção do registro no ICMS. Em geral, a documentação pedida é:

  • Cópia do ato constitutivo;
  • Cópia do CNPJ;
  • Cópia do alvará de funcionamento;
  • Número do cadastro fiscal do contador;
  • RG e CPF dos sócios;
  • Três vias do documento único de cadastro, DUC;
  • Uma via do documento complementar de cadastro, DCC;
  • Uma cópia autenticada de documento que prove o direito de uso do imóvel, como contrato de locação ou escritura;
  • Uma autenticada ou original do comprovante de endereço dos sócios;
  • Certidão simplificada da junta (obrigatório para empresas constituídas há mais de três meses);
  • Comprovante de contribuinte do ISS, para as prestadoras de serviço.

A boa notícia é que em alguns estados, você pode resolver essa etapa pela internet.

Registre-se na Previdência

Uma vez feita a Inscrição Estadual, vá até uma agência da Previdência para fazer o registro de sua empresa. O prazo para isso é de 30 dias após o início das atividades.

Solicite autorização para emitir notas fiscais

A última etapa do processo pode ser feita na Prefeitura de sua cidade, caso sua empresa preste serviços, ou então na Secretaria Estadual da Fazenda, caso seja um comércio ou uma indústria.
Pronto!

Franquias: grandes aliadas!

Na contramão da crise e com promessa de crescimento de 8% ao ano, o mercado de franquias é uma ótima opção para quem pretende empreender.

Para se ter uma ideia, o Brasil conta hoje com mais de 2 mil marcas de franquias espalhadas por todo o território nacional, divididas em 11 segmentos:

  • Alimentação
  • Casa e Construção
  • Comunicação, Informática e Eletrônicos
  • Entretenimento e Lazer
  • Hotelaria e Turismo
  • Limpeza e Conservação
  • Moda
  • Saúde, Beleza e Bem-Estar
  • Serviços Automotivos
  • Serviços e Outros Negócios
  • Serviços Educacionais

Segmentos e valores de investimento inicial

A seguir, separamos algumas marcas, de diversos segmentos e valores de investimento inicial, para você se planejar e começar a empreender. Confira:

  • Encontre Sua Viagem / Hotelaria e Turismo

Modelo de negócio: Home Office
Investimento inicial: R$ 7 mil
Faturamento (médio) mensal: R$ 50 mil
Prazo (médio) de retorno do investimento: de 3 a 12 meses.

  • Mary Help / Limpeza e Conservação / Rede de diaristas e mensalistas)

Modelo de negócio: Loja física
Investimento inicial: R$ 40 mil;
Faturamento (médio) mensal: R$ 60 mil
Prazo (médio) de retorno do investimento: de 12 a 14 meses;

  • CNA / Serviços Educacionais / Escola de idiomas

Modelo de negócio: Escola física
Investimento inicial: a partir de R$ 149 mil
Faturamento (médio) mensal: R$ 95 mil
Prazo (médio) de retorno do investimento: de 18 a 24 meses

  • Marca: Pello Menos / Saúde, Beleza e Bem-Estar

Modelo de negócio: Loja física
Investimento inicial: R$ 230 mil
Faturamento (médio) mensal: R$ 77 mil
Prazo (médio) de retorno do investimento: 36 meses

  • Marca: Saladenha / Alimentação (comida saudável)

Modelo de negócio: Loja física
Investimento inicial: R$ 130 mil
Faturamento (médio) mensal: R$ 40 mil
Prazo (médio) de retorno do investimento: 18 meses

Curtiu as dicas de como se tornar seu próprio patrão? O mundo do empreendedorismo te espera!

Com saturação de serviços, futuro do modelo de receita recorrente é incerto

Artigo Anterior

Setor de TI terá déficit de 408 mil profissionais até 2022

Próximo Artigo

Veja também

Mais sobre Empreendedorismo